Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

MARCA SUÍÇA COM TECIDO PORTUGUÊS LANÇA ROUPA 100% BIODEGRADÁVEL

Mäyjo, 03.10.15

freitag_SAPO

A marca de roupa suíça Freitag lançou uma nova linha 100% biodegradável, que pode ser enviada para compostagem devido à ausência de botões, químicos e etiquetas de poliéster. “É o primeiro têxtil 100% biodegradável”, explicou Oliver Brunschwiler ao Fast Co.Exist.

Segundo o empresário, a maioria das empresas ainda têm tecido de poliéster nas suas roupas. “Mas o nosso tecido é 100% biodegradável, assim como os botões da camisa, que são feitos de noz. Nas calças, o botão de metal pode ser desaparafusado”, continuou.

Esta colecção surgiu quando a Freitag, conhecida por transformar as lonas dos camiões em malas e mochilas, pretendeu elevar a sustentabilidade dos seus produtos. “O problema é que mesmo as nossas malas, [feitas com materiais reciclados], vão para o lixo quando estiverem velhas. O ciclo não fechou”, explica o responsável.

Parte dos tecidos da marca são made in Portugal

Agora, de acordo com Oliver, ele fica encerrado. O novo tecido é feito através de uma mistura de cânhamo, linho e uma fibra feita a partir de madeira. Os designers decidiram não utilizar algodão, devido à sua grande necessidade de água.

A Freitag começou a trabalhar no projecto em 2011, testando a linha de roupa nos trabalhadores da própria fábrica. Assim, e ainda que a roupa se desfaça em alguns meses depois de ir para compostagem, ela consegue ser bastante resistente durante o seu tempo de vida – sobretudo as gangas. “É muito espessa, um material sólido, resistente a riscos”, continua Oliver.

Outras das novidades é o facto de ela ser totalmente produzida na Europa, e não noutros países normalmente procurados pelas marcas de roupa. “O problema da globalização é que pegamos no algodão que cresce no Louisiana, levamo-lo para a China, onde é lavado e tingido, este regressa ao México, para uma fábrica, e volta à China, onde é cosido. São 45.000 quilómetros antes de alguém sequer o comprar”, conclui.

Assim, o cânhamo e o linho crescem em França, Holanda e Bélgica, os fios vêm da Eslovénia e Itália e os tecidos são made in Itália ou Portugal. A marca não descura, porém, ter uma segunda produção nos Estados Unidos.